quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Cansei de ser boba

“Declare guerra a quem finge te amar, declare guerra
A vida anda ruim na aldeia
Chega de passar
A mão na cabeça de quem te sacaneia...”


De uns tempos pra cá, muita coisa mudou. Terminei um namoro. Deletei um monte de gente da minha vida. Tudo sem um pingo de remorso. Quem me conhece, sabe que eu nunca fui assim. Sempre dei segundas, terceiras e décimas chances pra todo mundo. Sempre compreendi os erros alheios. Chorei e sofri junto. E passei a mão na cabeça de quem fingia querer o meu bem. Estou mentindo?
A verdade é que, se me analisarem hoje, eu virei outra pessoa. Sou quase a mesma de sempre, mas sinto que não sou mais boazinha. Minha tolerância acabou, minha intuição fareja à distância uma cabecinha ruim. Não aceito mais ser amiga de stalkers, de gente mal-resolvida e que me ferra pelas costas. Não tenho raiva de ninguém, mas minha prioridade agora é uma só: eu. Podem me chamar de egoísta, eu aceito. Mas chega uma hora na vida que a gente tem que parar de ser boa com os outros e ser boa – primeiramente - com a gente. Fiquei amarga? Não mesmo. Agora eu sou prática. Vacilou? A porta está aberta, meu bem. Sem dó nem piedade.
Outro dia uma amiga me disse uma frase que prometi não esquecer: quando o “ajudar ao outro” começa a te prejudicar, chegou a hora de parar. OK. Me desculpem, então, os que larguei à deriva. Salve-se quem puder! (Não é esse o clima?). 
É, gente, infelizmente, tudo tem seu limite. A gente nunca vai ajudar alguém que (de alguma maneira) quer te prejudicar. É a mesma coisa que salvar quem está afogando. Se bobear, um abraço. Em um minuto, os dois estarão lá no fundo... 
Acho que deveria ser instituído com amigos igual fazemos com namorado. Uma coisa do tipo: querida, vamos terminar... Acho muito digno. E até saudável. Afinal, se quase nada é eterno, quem disse que amizades não podem chegar ao fim?
Eu sempre fui boazinha, admito. Mas... EU FUI. Agora, acreditem ou não, não sou mais. E não vou tolerar ninguém que me faça ter sentimentos que não sejam incríveis. É uma questão de respeito com a minha própria vida. E comigo mesma. Não quero. Não posso. Não vou. E, se insistir, eu vou botar pra quebrar, despejar cada palavra dura, doa a quem doer. Estão com medo? (Eu estaria). Cansei de cobranças, chantagens emocionais, meu coração antes mole ficou forte, imaginem só! 4 séries de 8 durante anos e anos.... (Me entendem?). 
Então pra você que acha que eu sou a mesma boba de sempre (que escuta, releva e põe panos quentes), um aviso: tome cuidado comigo. Porque agora que eu sei o que me é caro, não vou mais deixar barato.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

O furo P

Te conheci em Julho e desde a primeira semana em que a gente conversou, curti muito tua sinceridade. Tava tão nítido a tua verdade naquela conversa. Você não omitiu o fato de estar ali por distração, logo após tua namorada ter pedido o famoso "tempo". 
Disse que a amava demais e que torcia por uma volta, mas ao mesmo tempo, estava cansado de muita coisa. Achei tão lindo aquilo e não criei expectativas como de costume, até porque você não fazia meu tipo. Só toquei naquele coração por causa da última foto, aquela com o Apolllo. Tá, eu confesso que também gostei daquela com o gatinho. Só por isso. A gente não tinha nada em comum, o time era a única coisa que nos deixava próximo de uma aceitação. A distância seria outro dilema. 
Até que eu passei a prestar mais atenção em você. Cada detalhe. Desde a conversa até a sua barba. Ah, talvez seja o que mais fará falta! Foi algo estranho ouvir que o tempo que ela pediu se converteu em uma volta, parecia que algo estava me escapando das mãos. Desejei  com todas as forças não passar por aquilo. Como algo assim podia me afetar? Nunca tinha te visto. Nem sabia qual era o gosto do seu beijo. Como era a sensação de ter suas mãos sobre minha pele. 
Abortamos a missão. Você precisava de um tempo seu e eu só queria um tempo nosso. Todo aquele temporal passou e lá estávamos nós. Nem nos meus melhores pensamentos achava que voltaríamos. Voltamos. E essa volta trouxe a tona tanta coisa boa, uma delas foi nosso encontro. Foi um desastre, mas finalmente você era meu, mesmo que por pouco tempo.
Sonhei com você. Outra vez. E tem sido assim durante a semana. Baixei aquele aplicativo novamente só pra distrair. Mentira. Foi pra tentar uma nova combinação com você. Em meio a todos aqueles homens lindos, atléticos e simpáticos, eu queria você. O seu papo. Era o seu rosto estampado ali que eu queria ver. Confesso que essa sensação de "por que" me perturba. Tenho vontade de ir atrás de você e perguntar por que você deixou a gente acabar mais uma vez. Não foi justo. Tantos planos eu fiz. Cada detalhe do encontro foi escolhido com frio na barriga e um sorriso gigante.
Não precisava inventar uma "gripe" de última hora, era só falar que o lugar não tava legal, que o dia era ruim ou até falar que não estava com vontade de ir. Você não sabe o quanto eu te odiei por ter "furado" mais ainda por ter mentido.
    Cá estou, ouvindo "love never felt so good" e advinha em quem eu penso quando essa música toca? Nesse seu amor pelo Justin T. Quem sabe isso passe, essas lembranças viram nada e eu finalmente sigo. Enquanto isso, espero que o mundo dê muitas voltas e a gente volte a se esbarrar pra eu mostrar que nisso tudo quem saiu perdendo não fui eu.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

E aí?

Talvez esse meu jeito meio carente esconda algo que nem eu mesma sei decifrar. Só sei que essa minha ânsia por ter a tua atenção pode ter explicação. Espero que não seja aquilo que ambos conversamos. Não estamos preparados, talvez mais você, eu aguento. Não imagino meus dias sem a sua presença, mesmo que não seja física, você sempre consegue se fazer presente. Torço pra que as minhas crises existenciais não te afastem, não suportaria ficar longe. É a única (tá, não é a única) pessoa que sabe lidar com minha TPM, me tira todo o tédio da rotina e me faz rir de doer a barriga. É tão único. E pensar que no começo eu só pensava em me afastar, te achava todo errado e olha aí, a errada agora sou eu.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

O universo e eu

Não quero fazer um balanço de todos os fatos, nem precisa. Estou maravilhosamente bem, obrigada! A felicidade está aqui e eu não posso deixá-la partir, por isso, agarrei-a com força e estou fazendo bom uso. O foco é no agora. O que está por vir deixa lá, quando vier a gente vê no que dá. Ir sem pressa e sem pesos desnecessários é minha meta. Acho que já tropecei demais pelo caminho. Chegou o meu momento, vou surpreender a vida. Não quero mais que ela me surpreenda, resolvi arregaçar as mangas e colocar a mão na massa, do que adianta ficar parada? Não quero ver a banda passar, quero dançar ao som. Sintonizar a vibração e ficar cercada do bem. Tá uma paz  tão grande aqui dentro, uma gratidão por tudo e até pelas coisas ruins. A gente sofre e não é pouco, mas quando passa, fica tudo claro. É como se o sol saísse de trás das nuvens e anunciasse o novo tempo. E é assim que vai ser. Novo tempo. Durante muito tempo procurei alguém, pra dividir, somar até e hoje eu só quero uma pessoa. A única que pode realmente me fazer feliz. Eu. Primeiro eu. Segundo eu. Terceiro eu. . Assim junto. Grudado. No momento é só o universo e eu. 

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Não somou? SOME.

Mais uma pra caixinha das decepções. Uma vinda de você. Logo você?Eu vi você chegar e sem expectativas o coração te aceitou bem. Aí, com o passar dos dias você foi ficando ali, sem barulho.No começo, a sua verdade me surpreendeu, seu jeito de me contar tudo com detalhes, sem omitir ou mentir. E agora eu te vejo assim, mais um. Aquele um que maltratou, mentiu, pisou. Jogou tão baixo. e pra quê isso? A verdade seria suficiente. Não teria show e nem condenações. Mas, você preferiu ser mais um na multidão.Pega essa sua mentira, arruma tudo seu e some daqui. Não quero conversa e acho que nem cabe. Pega esse teu jeito de "moleque" em achar que eu seria boba ao acreditar nessa sua mentira absurda. Dessa vez a surpresa foi um balde com água fria, com gelo e um gosto amargo. Te gostava tanto. Teu papo, inteligência, a maneira como me tratava. Seu beijo que ao encontrar a minha língua me dava um pouco da dimensão do céu. Encaixava. Fazia vibrar cada pedacinho do meu corpo e me dava a certeza de querer você pra mim. Assim, exatamente como tu é.O que vai ficar é mais um aprendizado. Talvez seja pra eu aprender, que não vale a pena se dar tanto hoje em dia. Que o maior amor ainda continua sendo o AMOR PRÓPRIO