domingo, 23 de novembro de 2014

Meu mongol preferido

Devia estar estudando, mas não. Deixei pra depois. Tô aqui pra falar do que incomoda, sufoca até. Aquele feriado, dia mais que perfeito que eu quero de volta. 15/11. Te (re)encontrar depois de tanto tempo de conversa, depois da "combinação" no Tinder.Você que é tão diferente dos caras que eu normalmente conheço. Você não bancou o "bom homem" pra tentar me conquistar. Foi o que é. Original. Sem frescuras. O primeiro que não tem nada de "fofinho" e tem tudo de "ogro".  Aquele que eu gosto como um amigo querido (sim, eu sei que amigo de mulher é viado), que me tira do tédio com a mesma rapidez que me deixa puta de raiva. Seu nome esquisito e esse seu jeito de ser, me fizeram tirar o chapéu pra você, te fizeram único pra mim. 
Alguns meses te "aturando", derramando sobre você meus medos, revoltas, dúvidas e minhas perguntas. Meses que eu me pego rindo de toda e qualquer besteira que a gente diz ou faz. Do nosso vocabulário tão único e tão nosso. Não, isso não é uma carta de amor, é um meio que eu encontrei pra dizer que você já é especial. Não saberia prosseguir sem suas palhaçadas, seus sábios conselhos, sem correr pra você a cada nova desilusão por procurar tanto o príncipe encantado.
Não faço ideia de qual será a sua reação ao ler isso, algumas partes aqui você já sabia, outras são fresquinhas. Eu só tirei o dia pra dizer coisas boas sobre uma pessoa. Só isso. 
 Muito obrigada por todos os sorrisos inesperados que me arranca. Por todas as vezes que contribui com meu crescimento, seja intelectual, profissional ou como pessoa. Você me surpreende todos os dias. Me agrega muito. Sim, você tem defeitos e muitos deles me irritam, mas já pensou que chatice não tê-los? São eles que te fazem ser esse ogro que eu aprendi a gostar e respeitar. É claro que eu gostaria de te ver repensar algumas coisas, mas não posso. É o seu jeito.
Enquanto não for filho da puta comigo eu estarei sempre aqui pra você. Não muda, tá? Seja sempre um homem de caráter. Acho que isso é o que importa. Não existe muitos por aí. É bom ser a exceção boa e por enquanto, você é.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Chega mais 26!

Não quero me preocupar com o que virá. Só o agora me interessa. Fazer aniversário, é algo mágico, um meio de Deus falar: Você acaba de ganhar uma página nova no livro chamado VIDA! Com o tempo, a gente aprende a silenciar e observar mais tudo ao redor. Algumas preocupações simplesmente desaparecem. Você ignora a opinião das pessoas e passa a viver de acordo com a sua verdade. "Amigos" ficam pelo caminho e é aquela velha história: no final é só você.
Mais um ciclo se encerra para que outro comece. A palavra é GRATIDÃO. Por todas as vezes que eu "quebrei a cara", que algo não saiu como o planejado, pelo que deu certo. Quanta gente legal se aproximou e quantas pessoas se afastaram. Deus sempre coloca a sua mão e acerta a rota, tudo se acerta.

Nas primeiras horas de 13/11/2014, quero fechar os olhos, pensar positivo e deixar muita coisa pra trás. Muita gente. Repito o trecho do último aniversário: Aos 26, desejo amadurecimento. Sempre. Sorrisos ao esbarrar com as maravilhas do caminho. Que o caminhar seja abençoado, embora nem sempre vai ser assim, eu sei. Que meus sonhos não adormeçam e que me tragam a força necessária para realiza-los. Se não for pedir muito, ter ao meu lado um alguém, um certo alguém. Da vida, eu só agradeço. 

domingo, 2 de novembro de 2014

Confusões e confissões


Quando quero sei ser nada simpática. Poucos, bem poucos, já perceberam isso. Não sei explicar direito, mas tenho um apito interno que dispara feito louco quando não vou com a cara de alguém. E às vezes, inexplicavelmente, não topo com a cara de alguma pessoa. Mesmo que ela nunca tenha me feito nada. Mesmo que eu nunca tenha trocado duas ou três palavras com ela. É gratuito.
Não costumo guardar mágoa, pois sou da tribo da conversa. Tá ruim? Então senta aqui e vamos resolver as coisas. Muitas vezes peco por falar demais. E quando não sei falar, escrevo. Quantas e quantas vezes as palavras ficaram trancadas dentro de mim e só saíram quando viram um papel e caneta na frente? Tantas e tantas vezes tudo fico preso e só se soltou na frente de um computador. Já me comuniquei com amigos, pais e namorado desse jeito: papel. É lá que eu me resolvo, me absolvo, me culpo, me julgo e faço as pazes.
Por favor, não chegue metendo o pé na porta da minha vida. Não gosto. Acho uma falta de respeito sem tamanho. Muita gente pensa que me conhece. Ilusão, mera ilusão. Quanto mais o tempo passa mais eu percebo que pouquíssimas pessoas me conhecem de verdade. Me analiso uma vez por semana e a cada dia que passa descubro mais e mais disfarces que uso. A gente usa escudos para afastar os males. E o que faz bem também (burros?).
Amizade nasce com o tempo. Não dá pra forçar, tentar criar uma intimidade inexistente. Antigamente, contava a minha vida para quem quisesse ouvir. Hoje em dia me preservo. Fica sabendo de mim quem eu quero que saiba. E daí alguém vem e diz: mas você tem um blog, escreve de relacionamento, de acontecimento, de sentimento. Então eu digo: as histórias que conto aqui não são completamente reais. Aumento um pouco aqui e ali. O que existe de verdadeiro é a paixão, é o sentimento que tenho pelo que faço. É claro que vida e arte se misturam (e vão sempre se misturar). Mas nada do que escrevo aqui é (e nem será) 100% fiel ao que vivo. Minha vida é muito bem guardada. Entra na minha casa quem eu quero (e são poucas pessoas, pois acredito muito nesse lance de energia).
Antes eu achava que todo mundo era meu amigo. Um dia, depois de muito sentir um gosto amargo e horrível na boca, descobri que muita gente queria me ferrar. Sim, as pessoas querem (e vão, me desculpa, mas vão) te ferrar. Tem amigo que não suporta te ver feliz. Tem conhecido que não aguenta ver o teu sucesso. Tem amigo que não gosta de ver que o teu relacionamento está dando certo. Tem parente que sente um ciúme trouxa. Tem gente que não sabe o que é gostar. Tem gente que não respeita nada. Acredito no seguinte: o olho das pessoas que gostam de você sempre vai brilhar quando alguma coisa boa te acontece. Se ele não brilha, meu amigo, "há algo errado no paraíso".
Educação a gente não compra. Não existe um personal educator. Boas maneiras a gente aprende com a vida (ou não). A elegância e o estilo a gente adquire com o tempo (ou não). Mas os limites (ah, os limites!) a gente que estabelece. Eu quero que você vá até aqui. Eu não quero que você passe desse ponto. E assim vamos vivendo (deixando bem claro pra todo mundo que não dá pra confundir as coisas).